Frete Grátis acima de R$120,00 *
38 lojas físicas desde 1958
Até 3X sem juros no cartão
Enviamos para todo o Brasil
Compra segura 100% protegida
Melotec 7,5mg C/ 10 Comprimidos
Melotec 7,5mg C/ 10 Comprimidos

Melotec 7,5mg C/ 10 Comprimidos

Código: 37863
Estoque: Indisponível
Ops!
Esse produto encontra-se indisponível.
Deixe seu e-mail que avisaremos quando chegar.
Calculando frete e prazo
Calcule o frete

Comprar Melotec 7,5mg C/ 10 Comprimidos com melhor preço e entrega em todo o Brasil. Conheça todas as apresentações de Melotec

Frete Grátis
acima de R$120,00 (*)
38 Lojas Físicas
desde 1958
Até 3X sem juros
a partir de R$100,00
OURO
Loja Ouro E-bit
eleita pelos consumidores

Para que serve Melotec

Indicado no alívio sintomático da inflamação e dor de intensidade ligeira a moderada, em doenças reumáticas (artrite) e outras afecções musculosqueléticas.

Como Usar Melotec

Artrite reumatóide: 15 mg uma vez ao dia.

Osteoartrite: 7,5 mg uma vez ao dia.

Adolescentes: A dose máxima recomendada é de 0,25 mg/kg.

De um modo geral, a dose diária total não deve exceder 15 mg.

Contraindicação de Melotec

- Hipersensibilidade ao meloxicam ou aos excipientes da sua fórmula.
- A pacientes que tenham apresentado distúrbios como asma, pólipos nasais, angioedema ou urticária após o uso de ácido acetilsalicílico ou outros antiinflamatórios não-esteróides.
- Em casos de úlcera gastrintestinal, Doença Inflamatória Intestinal Ativa e sangramento gastrintestinal.
- Em casos de insuficiência hepática grave, insuficiência renal grave e insuficiência cardíaca grave.
- Após realização de cirurgia do miocárdio ou angioplastia.
- Não indicado a crianças menores de 12 anos, em caso de gravidez ou lactação.

Precauções

Da mesma forma que com outros AINEs, ulceração, perfuração ou sangramento gastrintestinais, potencialmente fatais, podem ocorrer a qualquer momento durante o tratamento, com ou sem sintomatologia prévia ou antecedentes de distúrbios gastrintestinais graves. As consequências destes eventos normalmente são mais graves em pacientes idosos.

Deve-se ter cautela ao administrar o produto a pacientes com antecedentes de afecções do trato gastrintestinal. Pacientes com sintomas gastrintestinais devem ser monitorados. O tratamento com Meloxicam (substância ativa) deve ser interrompido se ocorrer úlcera ou sangramento gastrintestinal.

Da mesma forma que com outros AINES, deve-se ter cautela com pacientes que estejam recebendo tratamento com anticoagulantes.

Relataram-se raramente casos de reações cutâneas graves, algumas fatais, incluindo dermatite esfoliativa, síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica associadas ao uso de Meloxicam (substância ativa). Supõe-se que os pacientes estejam sob maior risco a essas reações no início da terapia, sendo que as reações ocorrem, na maioria dos casos, no primeiro mês do tratamento. Meloxicam (substância ativa) deve ser descontinuado ao primeiro sinal de surgimento de erupções cutâneas, lesões na mucosa ou qualquer outro sinal de hipersensibilidade.

Os AINEs podem aumentar o risco de eventos cardiovasculares trombóticos graves, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (AVC), que podem ser fatais. Este risco pode aumentar com o prolongamento do tratamento. Pacientes com doença cardiovascular ou fatores de risco para doença cardiovascular podem estar sob maior risco.

Os AINEs inibem a síntese das prostaglandinas renais envolvidas na manutenção da perfusão renal. Nos pacientes que apresentam diminuição do fluxo e do volume sanguíneo renal, a administração de um antiinflamatório não-esteroide pode precipitar descompensação renal que, no entanto, via de regra, retorna ao estágio pré-tratamento com a interrupção da terapia anti-inflamatória não-esteroidal.

Os pacientes sob maior risco de tal reação são idosos, indivíduos desidratados, portadores de insuficiência cardíaca congestiva, cirrose hepática, síndrome nefrótica, doença renal ativa; pacientes em tratamento concomitante com diuréticos, inibidores da ECA ou antagonistas dos receptores de angiotensina II ou que se encontram hipovolêmicos devido à intervenção cirúrgica de grande porte. Nestes pacientes, é necessário monitorar cuidadosamente a função renal, incluindo o volume urinário, no início do tratamento.

Em casos raros, os AINEs podem provocar nefrite intersticial, glomerulonefrite, necrose medular renal ou síndrome nefrótica.

Nos pacientes com insuficiência renal grave em hemodiálise, a dose de Meloxicam (substância ativa) não deve exceder 7,5 mg ao dia. Nos pacientes com insuficiência renal leve ou moderada (depuração de creatinina >25 ml/min), não há necessidade de redução de dose.

Da mesma forma que com outros AINEs, observaram-se elevações ocasionais das transaminases séricas ou de outros indicadores da função hepática. Na maioria dos casos, o aumento acima dos níveis normais foi transitório e pequeno. Se as alterações forem significativas ou persistentes, a administração de Meloxicam (substância ativa) deve ser interrompida e os exames apropriados devem ser solicitados.

Em caso de cirrose hepática clinicamente estável, não há necessidade de redução da dose de Meloxicam (substância ativa).

A tolerabilidade ao produto é menor em pacientes debilitados ou desnutridos, que devem ser cuidadosamente supervisionados. Da mesma forma que com outros AINEs, deve-se ter cautela no tratamento de pacientes idosos, nos quais as funções renal, hepática e cardíaca estão mais frequentemente alteradas.

Os AINEs podem causar retenção hídrica, de sódio e de potássio, além de interferir no efeito natriurético dos diuréticos. Como resultado, pode ocorrer precipitação ou exacerbação de insuficiência cardíaca ou hipertensão em pacientes susceptíveis. Recomenda-se monitorização clínica dos pacientes sob risco.

Meloxicam (substância ativa), assim como outros AINEs, pode mascarar os sintomas de doença infecciosa subjacente.

Não existem estudos específicos relativos aos efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos ou operar máquinas. Entretanto, os pacientes devem ser alertados sobre o fato de eles poderem apresentar efeitos indesejáveis como alterações na visão incluindo visão borrada, tontura, sonolência, vertigem e outros distúrbios do sistema nervoso central. Portanto, recomenda-se cautela ao dirigir veículos ou operar máquinas. Se os pacientes apresentarem algum desses efeitos, eles devem evitar tais tarefas.

Fertilidade, Gravidez e Lactação

O uso de Meloxicam (substância ativa), assim como de qualquer droga que iniba a síntese de ciclooxigenase/prostaglandinas pode prejudicar a fertilidade e não é recomendado em mulheres que estejam tentando engravidar.

Meloxicam (substância ativa) pode prejudicar a ovulação. Dessa forma, para mulheres com dificuldade de engravidar ou que estejam sob investigação de infertilidade, deve-se considerar a interrupção do uso de Meloxicam (substância ativa).

A inibição da síntese de prostaglandinas pode afetar adversamente a gestação e/ou desenvolvimento embriofetal. Dados de estudos epidemiológicos sugerem aumento do risco de aborto e de malformação cardíaca e gastrosquise devido ao uso de inibidores da síntese de prostaglandinas no início da gestação. O risco absoluto de malformação cardiovascular foi aumentado de menos de 1% até aproximadamente 1,5%. Acredita-se que o risco aumente em função da dose e da duração do tratamento. Em estudos préclínicos, foi demonstrado aumento da perda de embriões pré e pós-implantação e da letalidade embriofetal associado à administração de um inibidor da síntese de prostaglandinas. Além disso, houve aumento da incidência de várias malformações, inclusive cardiovasculares, em estudos pré-clínicos que testaram inibidores da síntese de prostaglandinas durante o período organogênico.

Durante o terceiro trimestre da gestação, todos os inibidores da síntese de prostaglandinas podem expor o feto a:

  • Toxicidade cardiopulmonar (com fechamento precoce do ducto arterioso e hipertensão pulmonar);
  • Disfunção renal, podendo progredir para insuficiência renal com oligoidrâmnio;

A mãe e o recém nascido, no final da gravidez, a:

  • Possível aumento do tempo de sangramento, um efeito anti-agregante que pode ocorrer mesmo com doses muito baixas;
  • Inibição das contrações uterinas, prolongando ou retardando o trabalho de parto.

Embora não haja experiência específica com Meloxicam (substância ativa) em humanos, sabe-se que os AINEs passam para o leite materno. Por isso, a administração do medicamento é contraindicada em lactantes.

Fonte: Bula do Profissional do Medicamento Movatec®.

Mais informações

Código do produto: 37863
Código de Barras: 7894916505284
Tipo de Medicamento: Similar
Registro MS: 1356905990013
Classe Terapêutica: Anti-Reumáticos Não Esteroidais Puros
Princípio Ativo: Meloxicam
Se persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado. Melotec é um medicamento. Seu uso pode trazer riscos. Procure o médico e o farmacêutico. Leia a bula
1