Frete Grátis acima de R$120,00 *
38 lojas físicas desde 1958
Até 3X sem juros no cartão
Enviamos para todo o Brasil
Seus dados estão 100% protegidos
Digobal 0,125 Mg C/ 30 Comprimidos
Digobal 0,125 Mg C/ 30 Comprimidos

Digobal 0,125 Mg C/ 30 Comprimidos

Código: 20654
Estoque: Indisponível
Ops!
Esse produto encontra-se indisponível.
Deixe seu e-mail que avisaremos quando chegar.
Calculando frete e prazo
Calcule o frete

Comprar Digobal 0,125 Mg C/ 30 Comprimidos com melhor preço e entrega em todo o Brasil. Conheça todas as apresentações de Digobal

Frete Grátis
acima de R$120,00 (*)
38 Lojas Físicas
desde 1958
Até 3X sem juros
a partir de R$100,00
OURO
Loja Ouro E-bit
eleita pelos consumidores

Para que serve Digobal

Tratamento da insuficiência cardíaca congestiva.
Tratamento de certas arritmias supraventriculares.
Afecções de pele, onde se exigem ações antiinflamatória, antibacteriana e antimicótica, causadas por germes sensíveis, como: dermatites de contato, dermatite
atópica, dermatite seborréica, intertrigo, disidrose, neurodermatite.

Como Usar Digobal

Adultos e crianças com mais de 10 anos:

- Dose de ataque rápida: 0,75 a 1,5 mg como dose única.

- Dose de ataque lenta: 0,25 a 0,75 mg diariamente por 1 semana.

Neonatos e crianças menores de 10 anos - deve ser administrada em doses divididas:

- Neonatos prematuros < 1,5 kg 25 ƒÊg/kg em 24 horas.

- Neonatos prematuros 1,5 kg a 2,5 kg 30 ƒÊg/kg em 24 horas.

- Neonatos termos ate 2 anos 45 ƒÊg/kg em 24 horas.

- 2 a 5 anos 35 ƒÊg/kg em 24 horas.

- 5 a 10 anos 25 ƒÊg/kg em 24 horas.

Contraindicação de Digobal

Presença de bloqueio cardíaco completo intermitente ou bloqueio átrio-ventricular de segundo grau.
Arritmias causadas por intoxicação por glicosídeos cardíacos.
Pacientes com taquicardia ventricular ou fibrilação ventricular.
Hipersensibilidade aos componentes da fórmula.
Hipersensibilidade a qualquer componente da fórmula.
Não deve ser utilizado em determinadas infecções da pele, como: varicela, herpes simples ou zoster, tuberculose cutânea ou sífilis cutânea.
Gravidez e lactação.

Precauções

A intoxicação por Digoxina (substância ativa) pode precipitar arritmias, algumas delas parecidas com as arritmias para as quais a droga é indicada. A taquicardia atrial com bloqueio atrioventricular variável, por exemplo, requer cuidado especial porque, clinicamente, o ritmo se parece com o da fibrilação atrial.

Muitos efeitos benéficos de Digoxina (substância ativa) sobre as arritmias resultam do grau de bloqueio da condução atrioventricular. Entretanto, se o bloqueio atrioventricular incompleto já existia, deve-se prever um efeito de rápida progressão. No bloqueio cardíaco completo, o ritmo de escape idioventricular deve ser suprimido.

Em alguns casos de distúrbio sinoatrial (como a síndrome do nódulo sinusal), Digoxina (substância ativa) pode causar ou exacerbar bradicardia sinusal ou provocar bloqueio sinoatrial.

A administração de Digoxina (substância ativa) no período imediatamente posterior ao infarto do miocárdio não é contraindicada. Contudo, o uso de drogas inotrópicas em alguns pacientes, nessas condições, pode resultar em aumento indesejável da demanda de oxigênio pelo miocárdio e isquemia. Além disso, alguns estudos retrospectivos de acompanhamento pós-evento sugerem que Digoxina (substância ativa) está associada ao aumento do risco de morte. Deve-se considerar a possibilidade do aparecimento de arritmias em pacientes hipocalêmicos, após infarto do miocárdio, que estejam mais sujeitos à instabilidade hemodinâmica. É preciso levar em conta as limitações inerentes a essas situações no caso de cardioversão com corrente direta.

Deve-se evitar o tratamento com Digoxina (substância ativa) em pacientes com insuficiência cardíaca associada à amiloidose cardíaca. Entretanto, se os tratamentos alternativos não forem apropriados, pode-se usar Digoxina (substância ativa) para controlar a frequência ventricular de pacientes com amiloidose cardíaca e fibrilação atrial.

Embora raramente, Digoxina (substância ativa) pode precipitar vasoconstrição; desse modo, deve-se evitar seu uso em pacientes com miocardite.

Pacientes com doença cardíaca causada por beribéri talvez não respondam de forma adequada a Digoxina (substância ativa) se a deficiência subjacente de tiamina não for tratada concomitantemente.

A Digoxina (substância ativa) não deverá ser usada na pericardite crônica, a menos que o objetivo seja o controle da frequência ventricular na fibrilação atrial ou a melhora da disfunção sistólica.

A Digoxina (substância ativa) aumenta a tolerância aos exercícios em pacientes com disfunção sistólica do ventrículo esquerdo e ritmo sinusal normal. Isso pode ou não estar associado à melhora do perfil hemodinâmico. Entretanto, o benefício proporcionado por Digoxina (substância ativa) aos pacientes com arritmias supraventriculares é mais evidente em situações de repouso do que de exercício físico.

Demonstrou-se, em pacientes que recebem diuréticos e inibidores da ECA (enzima conversora de angiotensina) ou somente diuréticos, que a suspensão de Digoxina (substância ativa) leva à piora do estado clínico. O uso de doses terapêuticas de Digoxina (substância ativa) pode prolongar o intervalo PR e causar depressão do segmento ST de acordo com eletrocardiograma.

A Digoxina (substância ativa) pode produzir mudanças falso-positivas de ST-T conforme eletrocardiograma durante testes de esforço. Esses efeitos eletrofisiológicos refletem um resultado esperado da droga e não indicam toxicidade.

Nos casos de administração de glicosídeos cardíacos nas duas semanas precedentes, as doses iniciais de Digoxina (substância ativa) devem ser reconsideradas (aconselha-se redução da dose).

Deve-se igualmente reconsiderar recomendações de dose para pacientes idosos ou que apresentam outras razões para um clearance renal reduzido de Digoxina (substância ativa), como doença renal ou comprometimento da função renal secundário à doença cardiovascular. Nesse caso, é preciso avaliar a necessidade de redução tanto das doses iniciais quanto das doses de manutenção.

Os pacientes que recebem Digoxina (substância ativa) devem passar por avaliações periódicas de eletrólitos plasmáticos e função renal (concentração de creatinina plasmática); a frequência dessas avaliações dependerá do contexto clínico.

A determinação da concentração sérica de Digoxina (substância ativa) pode ser de grande ajuda na decisão de continuar ou não o tratamento com esse fármaco, mas outros glicosídeos e substâncias endógenas similares à Digoxina (substância ativa) podem apresentar reação cruzada nos testes (resultados falso-positivos). Nesse caso, talvez seja mais apropriado interromper o tratamento com Digoxina (substância ativa) e observar.

Os pacientes com doença respiratória grave podem apresentar aumento da sensibilidade do miocárdio aos glicosídeos digitálicos.

A hipocalemia sensibiliza o miocárdio às ações dos glicosídeos cardíacos.

A hipóxia, a hipomagnesemia e a hipercalcemia acentuada aumentam a sensibilidade do miocárdio aos glicosídeos cardíacos.

A administração de Digoxina (substância ativa) a pacientes com doença da tireoide requer cuidado. As doses iniciais e de manutenção devem ser reduzidas quando houver hipotireoidismo. No hipertireoidismo há certa resistência a Digoxina (substância ativa), e pode ser necessário um aumento de dose. Em caso de tireotoxicose, deve-se reduzir a dose da Digoxina (substância ativa) quando a disfunção tireoidiana estiver sob controle.

Os pacientes com síndrome de má absorção ou anastomoses gastrintestinais talvez necessitem de ajuste das doses de Digoxina (substância ativa).

Cardioversão com corrente direta

O risco de arritmias perigosas devido à cardioversão com corrente direta aumenta grandemente na presença de intoxicação digitálica e proporcionalmente à carga utilizada nesse procedimento.

Na cardioversão com corrente direta eletiva de um paciente tratado com Digoxina (substância ativa), esta droga deve ser suspensa 24 horas antes da realização do procedimento. Em casos de emergência, como nas paradas cardíacas, deve-se aplicar, na tentativa de cardioversão, a carga mínima eficaz.

A cardioversão com corrente direta é inadequada para o tratamento de arritmias supostamente ocasionadas por glicosídeos cardíacos.

Pacientes idosos

Entre os idosos, há a tendência de ocorrência de distúrbios da função renal e de diminuição da massa corporal, o que influencia a farmacocinética da Digoxina (substância ativa) de tal forma que níveis altos desse fármaco no plasma podem rapidamente causar intoxicação.

É possível evitar isso com a redução das doses usualmente administradas a adultos. Os níveis séricos de Digoxina (substância ativa) devem ser checados regularmente para evitar hipocalemia.

Efeitos sobre a habilidade de dirigir veículos e de operar máquinas

Como há relatos de distúrbios visuais e do sistema nervoso central em pacientes que recebem Digoxina (substância ativa), deve-se ter cuidado ao dirigir veículos, operar máquinas ou participar de atividades perigosas.

Gravidez e lactação

O uso de Digoxina (substância ativa) na gravidez não é contraindicado, embora a dose adequada possa ser menos previsível nas gestantes do que em mulheres não grávidas, uma vez que algumas gestantes necessitam de dose mais alta. Como ocorre com todas as drogas, deve-se considerar o uso de Digoxina (substância ativa) apenas se os benefícios clínicos esperados do tratamento da mãe superarem qualquer possível risco para o feto.

Apesar da exposição pré-natal a preparações digitálicas, não se observou nenhum efeito adverso significativo no feto nem no neonato quando a concentração de Digoxina (substância ativa) plasmática materna se manteve dentro da faixa normal. Embora existam especulações sobre o fato de que o efeito direto de Digoxina (substância ativa) no miométrio pode resultar em parto prematuro e baixo peso do recém-nascido, a importância do papel da doença cardíaca preexistente não pode ser ignorada. A administração de Digoxina (substância ativa) à mãe tem sido adotada para tratar a taquicardia e a insuficiência cardíaca congestiva fetal.

Há relatos de reações adversas fetais no caso de mães que sofreram de intoxicação digitálica.

Amamentação

Embora Digoxina (substância ativa) seja excretada no leite materno, as quantidades são mínimas, e a amamentação não é contraindicada.

Teratogenicidade, mutagenicidade e reprodução

Não há dados disponíveis sobre a possibilidade de Digoxina (substância ativa) provocar efeitos teratogênicos, nem efeitos sobre a fertilidade humana.

Este medicamento contém lactose.

Mais informações

Código do produto: 20654
Código de Barras: 7897851220199
Tipo de Medicamento: Similar
Registro MS: 1014600710071
Classe Terapêutica: Cardioglicosídeos Puros
Princípio Ativo: Digoxina
Se persistirem os sintomas o médico deverá ser consultado. Digobal é um medicamento. Seu uso pode trazer riscos. Procure o médico e o farmacêutico. Leia a bula
1